“NAVEgar é preciso (...) Viver não é necessário; o que é necessário é criar.” Fernando Pessoa

O Instituto Fernando Pessoa possui um espaço de criação e reflexão, chamado NAVE (Núcleo de Arte, Vídeo e Escrita).

A partir de filmes, literatura e outras artes, o objetivo é a construção coletiva de conhecimento e a expressão de subjetividade.

A idéia do NAVE é ser um movimento constante de expansão artística e cultural, de acordo com o interesse dos participantes/colaboradores, sempre com um clima informal e descontraído, aberto a boas idéias!

EXPERIMENTE.

COMENTE NESSE ESPAÇO, SEJA BEM-VINDO A BORDO!


Na sessão EspaçoNave suas viagens e devaneios são publicados!

18 de mai de 2011

Dia da Luta Antimanicomial

Arthur Bispo do Rosário insere-se no debate sobre os limites entre a insanidade e a arte no Brasil. Foi preso como indigente e demente, sendo conduzido ao Hospital dos Alienados, no RJ. Um mês depois, foi transferido para a Colônia Juliano Moreira, onde permaneceria por cerca de cinqüenta anos. Foi diagnosticado como portador de esquizofrenia paranóide, caracterizada pela ocorrência de visões, alucinações e sentimentos de perseguição.
A partir desse período, começa a produzir seu trabalho artístico, motivado por um pedido de Deus para que reconstruísse o universo e registrasse a passagem divina pela terra. Aí, começa a história de Bispo do Rosário como artista plástico. Estima-se que elaborou cerca de 1.000 peças, que permaneceram como propriedade da Colônia Juliano Moreira, no Rio de Janeiro, hoje desativada como instituição manicomial e transformada no Museu Arthur Bispo do Rosário. Bispo faleceu em 1989.

Nenhum comentário:

Postar um comentário